– cinza

 

Hora: 12:48 – Ouvindo: Chevelle – Until You’re Reformed

Ok, poesia não é meu forte e nem uma das minhas coisas favoritas, mas algo bem feito, de boa sonoridade e tocante me prende a atenção e respiração. Resolvi fazer um poema em inglês, meu primeiro. Embaixo do original em inglês se encontra a tradução crua e sem rimas.

Continuar lendo

Anúncios

– lágrimas

 

Hora: 23:11 – Ouvindo: Christina Aguilera – Beautiful

Então, eu chorei.

Eu chorei por que você fazia as pessoas rirem, mas sempre me fazia chorar. Chorei por que você sempre me disse que eu era feio. Chorei por você apontar meus defeitos. Chorei por que você dizia que minhas pernas eram finas e tortas. Chorei por que você dizia que meus dedos da mão eram finos e feios demais. Chorei por que dizia que meus pés eram os mais feios que já tinha visto. Eu chorei quando você dizia que minha boca era estranha e tinha cor de inchaço; chorei por que você dizia que meu nariz era pontudo; por que dizia que minhas sobrancelhas eram grossas e que minhas orelhas eram grandes. Eu chorei quando você pegou meu braço e conseguiu abarcar meu punho com uma mão só. Chorei quando você disse que eu não tinha músculos; chorei por que você sempre fazia questão de ressaltar na frente dos outros o quanto eu era magro. Chorei por que você sempre dizia que eu era só pele e ossos. Chorei por que você me dizia que eu tinha muitos pêlos e que eu parecia uma aberração. Chorei por que você ria por que eu roia as unhas, mas você nunca soube que sempre faço isso quando estou com medo. E eu chorei por que você ria também dos meus joelhos e cotovelos, mesmo que para mim eles parecessem perfeitamente normais.

Eu chorei por que você ria do jeito que eu andava, do jeito que eu sentava e do jeito que eu movia meus braços. Chorei até por que chamava de Baleia, Rolha de Poço e outros nomes um dos meus grandes e poucos amigos. Eu chorei por que você me apelidava de Pato Donald por causa da minha voz fanha naquele tempo; chorei por que depois me apelidou várias vezes de Pinóquio quando ninguém acreditou que eu havia ganhado um Nintendo 64. Chorei por que você ria do jeito que eu penteava meu cabelo e chorei por que quando tentei mudar meu penteado você continuou rindo. Eu chorei quando você me disse que eu nunca teria amigos. Chorei quando você se juntou aos outros e continuou apontando para mim e rindo de coisas que eu não via em mim. Eu chorei por que você me fez acreditar que meu cabelo era feio, que minha voz era estranha, que meu andar era tosco. Chorei quando você riu por que eu havia quebrado o braço numa brincadeira. Chorei muitas vezes por que você implicava com minha cor.

Chorei por que você me chamava de bichinha por eu não saber jogar o maldito futebol; chorei por me chamar de burro por não gostar de matemática e por convencer os outros a não brincarem comigo. Eu chorei por você ter me feito passar quatro anos sem tirar a camisa nem mesmo na frente de minha mãe, por que eu acreditei nas suas mentiras que eu era tão magro que devia sentir vergonha do meu corpo. Chorei por que você me olhava com desprezo por que eu não tinha as melhores roupas, calçados ou brinquedos. Chorei por que você rasgou minha mochila novinha, por ter riscado de caneta minha farda e por ter rasgado meu caderno no primeiro dia de aula. Eu chorei quando te vi entrando na sala de aula, por que eu sabia que seria mais um ano de sofrimento. Eu chorei cada vez que só para conferir se era verdade, eu medi partes do meu corpo para saber se elas eram grandes ou pequenas demais como você dizia. Chorei quando você tentou tirar minha camisa e calça na frente de todo mundo da escola só pra mostrar a eles como eu era feio. Por fim, eu chorei por que você me fez acreditar que eu era completamente feio e disforme, e chorei por que eu não conseguia compreender como você fazia e dizia todas essas coisas sem se importar se isso me deixava triste ou com os efeitos que isso faria em mim por toda minha vida. Em como essas coisas ficariam guardadas na minha mente como feridas, como ainda são.

Mas eu compreendi algo recentemente, depois de tanto tempo chorando: O feio em toda essa história é você! Você que é o feio por que você é oco, vazio; por que você não tem nada dentro do seu peito. É você que devia se envergonhar, se envergonhar por ser ignorante. Compreendi que você é feio por que não tem escrúpulos, compreendi que você é terrivelmente feio por não se importar com os sentimentos dos outros. Compreendi que mesmo você fazendo os outros rirem e eu chorar, você é a pessoa mais triste no mundo. Você é triste por que ainda é digno de pena. Você é podre por dentro, você pode ter músculos, pernas, braços, dedos, olhos, sobrancelhas, orelhas, cabelo, voz, pele, dentes, lábios, estilo de se vestir e postura, todos perfeitos, mas você é completamente podre por dentro. Você é cheio de defeitos, cheio de falhas, cheio de vícios e máculas. Você é irremediavelmente quebrado. Espero que ao ler isso você sinta o quanto EU te desprezo por toda a podridão que você carrega dentro de si e tenta espalhar por onde passa. Só tenho uma coisa para te dizer: Você, do alto de sua intocável perfeição, por não se importar com meus sentimentos, é a pior coisa que já pôde existir na face da Terra. Acredite, eu tenho sentimentos e sei que sou bonito do jeito que sou. Você é todas aquelas pessoas que maltratam e acabam com a infância e adolescência de muitas pessoas em todo o mundo, inclusive com a minha.

A todos aqueles que já sofreram ou sofrem bullying, seja ele como for. Acredite, amigo(a): Você não é o único(a) que passou/passa por isso. Não deixe eles te derrubarem. Você é bonito(a); não importa o que eles dizem. Fique firme. Um grande abraço.

– inseguro e confuso

Hora: 15:30 – Ouvindo: Britney Spears – Everytime

Por que quando estamos tristes e confusos as pessoas sempre tendem a piorar a situação? Ok, eu já estou bastante confuso, então por que me deixam mais inseguro do que já sou? Parece que tudo que me oferecem nesse momento é mais informações que eu não gostaria de saber e o pior: tudo pode ser mentira, tudo pode ser apenas fofoca. Mas pensemos bem: o que mentiras e fofocas podem fazer com uma pessoa insegura? Sim, a resposta é essa mesma que veio a mente: destruir.

Eu entendo que haja o trabalho que ocupe o tempo dela quase o dia todo, mas o que custa uma mensagem dizendo como foi o dia e talvez perguntando como eu estou? Apenas um “Oi, to com saudade.” ou “Queria te ter aqui comigo agora. Sinto tua falta”. Por que sim, é isso que eu diria. E mais: Sinto falta do teu abraço. Fico louco pensando que ainda há cinco meses antes de nos reencontrarmos outra vez. Me deixa maluco toda vez que alguém me diz que não continuaremos juntos e que tudo vai terminar em desilusão e feridas para os dois lados. Fico com raiva sempre quando falo dos meus sentimentos para alguém, e essa pessoa rir de mim, não levando a sério isso. Eu sonho contigo constantemente e toda vez que eu vejo teu rosto num sonho a minha vontade é dormir o dia todo para que assim eu possa estar perto de ti ao menos em sonho.

Por que eu simplesmente não consigo mais ouvir uma música romântica sem pensar em ti ou em alguns casos sem chorar. Por que só faz uma semana que você foi embora, mas para mim parece fazer séculos.

Eu tenho medo de estar maximizando tudo isso e que isso possa te assustar. Tenho medo de ter muito aqui dentro e que você se assuste com o tamanho do meu sentimento por ti. Eu só queria perder essa insegurança e é por isso que vou deixar de ouvir conselhos de pessoas erradas, de pessoas que não tem uma base sólida para me aconselhar.

O melhor conselho até agora será o que eu seguirei: “Sim, pode ser tudo verdade o que te falam sobre ela. Mas também pode não ser. Entre acreditar que ela está mentindo e que ela seja do jeito que tu crer que ela seja; acredite no que ela te disse. Tudo que te contam pode ser mentira também. Você só tem duas alternativas, escolha a que te parecer mais lógica. Meça e pese as coisas e os acontecimentos, depois disso você saberá em quem acreditar. Depois disso, mande os conselhos errados pro inferno.”

And everytime I see you in my dreams I see your face, it’s haunting me. I guess I need you baby.

 (E toda vez que eu vejo você em meus sonhos eu vejo seu rosto, isso está me assustando. Eu acho que eu preciso de você, querida.)

– lembranças

Hora: 20:21 – Ouvindo: Ode to my family – The Cranberries

Eu não sei se estou sendo repetitivo, mas eu sinto que tenho um dever maior que as minhas vontades. Um dever de pedir perdão todas as vezes que volto àquele perfil do Orkut. Sinto uma tristeza – não por mim, mas pelo que fiz – todas as vezes que vejo suas fotos e comunidades. Eu sei que eu lhe causei dor, sei que nada do que eu disser remediará a dor que você sentiu por minha causa, e eu sei que quanto mais eu falo, mais tudo o que digo fica ridículo e sem sentido para você.

Mas eu simplesmente não consigo evitar. Toda vez que vejo seu perfil, seu nome, suas fotos, suas comunidades, tudo me vem à memória. Não só os dias felizes, mas mais ainda o fim de tudo, o quanto foi dificil dizer tudo, por um ponto final na nossa história. Eu sinto que eu sempre estarei em débito com você, como se eu tivesse roubado algo de você, tivesse a vontade de devolver, mas não soubesse como – e talvez tenha sido isso mesmo.

Não adianta eu ficar aqui lembrando de tudo e me lamentando. Não adinta eu pedir perdão, talvez você já tenha me perdoado, mas para mim parece que nunca vai ser suficiente, falta simplesmente algo… Eu te devo algo e sempre deverei. Eu prometi jamais te machucar e foi justamente isso que fiz. Eu nem sei realmente o que você pensa sobre mim hoje em dia, afinal, a amizade que eu pensei que poderíamos ter, não foi bem realizada. Mal conversamos, na verdade, mal nos vemos, e quando isso ocorre, não temos as melhores conversas. Somos como dois estranhos numa parada de ônibus, apenas conversando casualmente, sem um assunto específico para manter uma conversa longa.

Eu queria tirar esse sentimento de dentro de mim, mas acho que mereço. Acho que quando eu tiver uns 70 anos, olharei para trás e nos verei, lá atrás, 18 e 16 anos, amando, sonhando, planejando, prometendo e… descumprindo.

Eu quero que você fique bem. Juro por Deus.