– virgem

107

Hora: 16:55 – Ouvindo: Sleeping At Last – I’m Gonna Be

Um dia você me disse que eu te deixava sem palavras. Logo você que escreve livros. E isso me pareceu de uma estranheza imensa, por que eu − também escritor − raramente me sinto sem palavras. Mas então, decidi te escrever num texto, quis te transformar em letras, sílabas, orações e complementos verbais. Quis te formar em sujeito e predicado, e qual a minha surpresa ao perceber que toda frase que eu iniciava parecia tola e infantil e eu não conseguia chegar a uma extensão correta daquilo que você é para mim. Continuar lendo

Anúncios

– chuva de lembranças

Hora: 02:56 – Ouvindo: The Killers – Read My Mind

Bem, revirando os cômodos perdidos do meu computador achei esse texto que escrevi com a intenção de publicar aqui, mas por qualquer motivo que não lembro, não publiquei. É um texto do dia 16 de Agosto de 2010, ou seja, mais de 3 anos atrás agora:

Lembranças. Isso é tudo o que me vem na mente nesses momentos. A chuva caiu e com ela veio uma torrente de lembranças saudosas. Não aquela saudade que dói no peito e que nos faz querer chorar, não. Mas sim aquela saudade que nos faz lembrar os amigos e querê-los por perto mais uma vez.

Continuar lendo

– novo mundo

paisagem-grandes

Hora: 18:16 – Ouvindo: Imagine Dragons – It’s Time

Dois anos. Quanto eu achava que dois anos me mudariam? No momento não relembro e de verdade, não importa tanto. Não importa o quanto eu julguei esses dois anos antes de vivê-los, pois qualquer estimativa que tive de mudança estava mais do que errada. A mudança pela qual passei foi inexpressivelmente maior do que qualquer expectativa que imaginei ou planejei.

Continuar lendo

– dias e dias

As palavras não chegam com clareza ao meu cérebro, eu tento por algo pra fora dele, mas quando elas vão chegando, escorregam de mim, os dedos ficam inertes sobre o teclado sujo esperando por ações que não vem. O que acontece é que minha vida mudou de forma tão brutal que eu nem mesmo sei descrever como tudo ocorreu. Dois meses atrás eu era um; hoje sou outro.

E tudo foi embora junto e tudo chegou também junto. Meus contatos tornaram quase todos pessoais e os virtuais que sobraram (os realmente importantes e que sentem minha falta) posso contar nos dedos das mãos. Acontece que  a vida deu uma guinada e aquilo que devia ficar para trás ficou. Eu não acredito muito em horóscopo, mas um que vi, sobre o meu signo me chamou atenção esses dias, dizia: “Esse ano, você terá que decidir o que realmente você quer e o que não quer, terá que deixar aquilo que ‘acha’ importante e começar a valorizar aquilo que você anda deixando de lado. Não preocupe-se com o que poderá acontecer, não tente prever o futuro, siga apenas os caminhos que se apresentarem a você.”

É incrível como isso traduz o que tem acontecido comigo. Deixei forçosamente algumas coisas que achava de vital importância e logo depois, coisas que eu julgava banais, apresentaram-se a mim com uma importância que eu nunca havia reparado. Eu estou seguindo os caminhos que se trilham a minha frente, eu estou tendo fé, estou confiando no que não vejo. Eu sinto uma força maior me guiando, como se me levasse pelo caminho que tenho que seguir, e o melhor de tudo é que eu conheço essa força, eu a quero na minha vida.

Eu sei que em breve, se tudo continuar bem e há de continuar, a vida vai mudar mais bruscamente ainda. Eu sei que estou fazendo novos amigos, que estou construindo relações e abrindo novas portas antes renegadas, eu sei que cada escolha terá sua reação, que cada escolha trará algo novo e diferente. Agora já consigo captar as palavras que quero, rs, isso é incrível.

Eu sou muito grato por tudo.

Obrigado, sinceramente, muito obrigado.