– chuva de lembranças

Hora: 02:56 – Ouvindo: The Killers – Read My Mind

Bem, revirando os cômodos perdidos do meu computador achei esse texto que escrevi com a intenção de publicar aqui, mas por qualquer motivo que não lembro, não publiquei. É um texto do dia 16 de Agosto de 2010, ou seja, mais de 3 anos atrás agora:

Lembranças. Isso é tudo o que me vem na mente nesses momentos. A chuva caiu e com ela veio uma torrente de lembranças saudosas. Não aquela saudade que dói no peito e que nos faz querer chorar, não. Mas sim aquela saudade que nos faz lembrar os amigos e querê-los por perto mais uma vez.

Os cheiros saíram da terra e se intensificaram no ar. Cheiro de terra molhada, de lenha recém queimada, mas agora úmida; cheiro das cascas das árvores e dos frutos que produzem; o perfume das pessoas que parece ser espalhado mais facilmente com a umidade; a comida sendo preparada dentro das casas pelas quais eu passo; e por fim um cheiro diferente, um cheiro que se sente com a mente e não com o olfato, um cheiro de paz e tranqüilidade, serenidade. Tudo é de uma beleza instigante, interessante e misteriosa. Lembro-me de amigos do colégio de dois anos atrás, tempos que eu não tinha grandes preocupações, por onde será que andam agora? O que fazem e o que pretendem fazer com seus futuros? Lembro-me do meu primeiro emprego: o computador lento, o ar-condicionado fazendo arrepiarem-se os pêlos do meu braço e o cheiro do meu perfume invadindo todo o cômodo. Lembro as horas em frente o computador ouvindo música e conversando on-line no MSN onde fiz grandes amigos e onde perdi contato com a maioria dos mesmos depois que saí do emprego. Lá encontrei meu melhor amigo, um cara sensacional e o qual incrivelmente não há palavras para descrever, por mais que tenhamos nossas diferenças é dele que me lembro quando penso em companheirismo. A saber, nunca nos encontramos, mas a amizade é mais do que isso, lembro todas as horas conversando a fio com ele: os assuntos, os segredos, as risadas, as lágrimas, as brigas, os pedidos de desculpa, as novidades, a falta de assuntos às vezes, os planos de viagem e as loucuras sonhadas e levadas a sério como um pacto de sangue. Lembro também de uma garota quieta, solitária, diferente e a meu ver no início, bem estranha, lembro o quanto fui idiota julgando-a por sua aparência quando a vi, mas também me lembro do quanto me surpreendi quando eu tentei caçoá-la e ela me humilhou na frente de todo mundo. Quem diria que daquele momento tenso nasceria a minha maior amiga? Quem diria que a garota do interior, sem postura, desprezada pelas garotas mais bonitas se tornaria uma mulher forte e decidida, bonita, atraente e sensual? Lembro-me de quando pedi desculpas e vi todo o potencial que ela tinha; toda a inteligência guardada dentro daquele pequeno frasco. E então, pluft! Nasceu a garota que me destrincharia, que me faria rasgar a ela todos os meus medos, sonhos e segredos, coisa que ninguém havia conseguido fazer até o momento. Sorrio feliz ao me lembrar das maluquices na sala de aula, na rua, supermercado, cursos, enfim, em todos os lugares.

Não esqueço também de um cara excepcional que conheci aos meus treze anos de idade. Eu simplesmente não lembro bem como nossa amizade começou, mas lembro de como ela se desenvolveu. Lembro dos mais absurdos assuntos que duas pessoas podem conversar durante mais de duas horas e mesmo assim achar sentido em tudo que falam, mesmo quando todos que ouvem possam negar e achar que são loucos. Lembro dos constantes momentos em que não precisamos trocar uma palavra para saber o que o outro pensava, iria dizer ou o que observava. Lembro dos conselhos, das conversas em segredo a qual só nós dois entendíamos o que dizíamos. Existiram brigas, rompimentos e reatamentos, é claro, toda amizade tem disso. Eu o admiro acima de todos. Admiro por sua inteligência, por sua garra, por sua vontade de vencer, comunicabilidade, certeza do que quer e por sua incrível esperança no amanhã e no que ele o trará de bom. Lembro de quando deixamos de ser meros colegas e nos tornamos amigos de verdade. Tudo foi novo, tudo foi inesperado e ao mesmo tempo surpreendente. Lembro das dores divididas, um pedindo ajuda ao outro sobre o primeiro amor, os dois sofrendo por pessoas que não nos enxergavam, contanto tudo passou, a vida seguiu. Hoje é dia de lembrar. Dia de contar experiências e fatos que aconteceram, e eu gosto disso, de sentir essa paz, esse clima tranqüilizador que está imperando nesse momento. Não posso falar sobre todos meus amigos aqui. Às vezes penso que eles não existem, que já me esqueceram e que cada um segue seu destino sem ligar para o outro, mas talvez não seja bem assim… E se acaso for, bem, é a vida. Terei que ir um dia também seja para onde for, e eu tenho certeza que mesmo partindo não os esquecerei. Talvez seja assim com eles também, e eu irei ficar feliz se para onde eles forem for melhor que aqui e se eles crescerem. Tenho certeza que tenho muitos amigos.

Existe um cara que sempre posso contar, que sempre posso conversar, que sempre fará o possível para estar disponível quando eu realmente precisar desabafar. Sei que já passamos por dificuldades que o fizeram deixar de me considerar um amigo, mas tudo está bem agora. Existe outro que eu sempre achei intrigante, que foi um mistério e tanto no início, o jeito dele me encabulava, me deixava confuso. Era como algo escorregadio. Eu acendia uma luz sobre ele e ele apagava outras duas. Mistérios escondidos ao longo de um labirinto verde. Quando eu imaginaria que descobriria quem era o verdadeiro-eu dele? Quando eu sonharia que ele mesmo me contaria tudo que pensava, tudo que desejava e sonhava, tudo que já havia acontecido com ele e todos seus problemas? Há um cara que foi um problema no início e que virou um grande amigo, ele me mostrou um novo caminho, uma nova opção e existe o cara que já partiu e deixou muita saudade, mas me guiou por esse caminho e me deu o maior e mais especial presente que já ganhei: uma chance de recomeçar. Existe um cara que inventa idiomas e parece viver em outro universo, eu simplesmente adoro a companhia dele, é como se eu fosse parar nesse mundo que ele vive também, esqueço o mundo chato e normal; existe um cara que gosta de fotografia e de se bater ao invés de se coçar, e a melhor amiga dele a qual eu amo o sorriso e o desprendimento com algumas coisas; e existe o cara que sempre gosta de estragar piadas tentando explicá-las através do ponto de vista da física, da química, biologia ou qualquer outro ponto que ele achar. Não posso colocar nesse mísero texto tudo o que me lembro de todos. A chuva de lembranças é muito grande, como um filme de uma vida toda passando em segundos no meu cérebro. Apesar de muitos não considerarem pessoas que conhecemos na internet como amigos apenas por não termos um contato direto com essas pessoas, eu tenho plena convicção quando chamo pessoas que conheci na Internet de amigos que elas realmente o são. Sejam elas da cidade, estado ou país que forem. Amo cada amigo que está ao meu alcance tanto como amo aqueles que só posso ter quando estou online. Para alguns isso pode ser uma grande bobagem, mas isso supre a minha falta de amigos pessoais. Já que não sou comunicável o bastante para fazer amigos aonde vou, meus amigos da Internet preenchem esse vazio e sempre existirão em minha vida, sempre serão lembrados mesmo que percamos o contato. Esses dias de frio que a chuva cai e molha a terra liberando os cheiros que estavam aprisionados e destravando a minha válvula de lembranças me fazem bem. Fazem-me esquecer de esquecer e me fazem lembrar de lembrar. Deixam-me em paz e com vontade de voltar ao passado, não para mudá-lo, apenas para vivê-lo outra vez. E eu estou simplesmente em paz e feliz. Isso é incrível.

Feliz Dia das Lembranças.

Anúncios

2 comentários sobre “– chuva de lembranças

  1. green eyes disse:

    Como sempre, me emociono com suas palavras e como vc interpreta a emoção de conhecer as pessoas especiais pra voce, obrigado por eu ser uma dessas pessoas, isso me deixa feliz porque sei que posso contar com vc meu amigo. te amo de coração e continue a escrever que pelo menos vc tem um fã de suas composições.

    • Obrigado, Green Eyes. Obrigado de verdade por sua amizade e amor. Obrigado pelo tempo que tira para ler as coisas que tiro do meu peito e guardo aqui. Volte sempre 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s