– escarro

Hora: 16:40 – Ouvindo: Chevelle – Wonder What’s Next

Eu queria que o dia estivesse nublado. Negro e cinza. Queria que as nuvens pesadas cor de chumbo estivessem cobrindo qualquer resquício de luz que o sol quisesse impor agora. Os dias parecem melhores e belos quando as nuvens imperam prepotentemente lá em cima. Pesadas e arrogantes, lentas por causa do fardo que carregam. Queria o vento frio e cortante feito navalha a espancar meu rosto, levantando e bagunçando meus cabelos, açoitando meu peito enquanto eu o desafiasse e caminhasse contra ele, queria o passando veloz por mim levando embora com ele todo esse sentimento amargo.

Cresce tanta raiva aqui dentro, amadurece tanto ódio no meu peito que quando o espaço está cheio, o perigo é grande demais até para mim mesmo. Guardo minhas mãos nos bolsos, caminho reto e direto e fecho a cara para que possam ler em mim um aviso de perigo, um “afaste-se” bem claro estampado no meu rosto, é uma forma de prevenir. Na verdade, eu nem sei se essa raiva toda tem um motivo certo, primeiro veio a tristeza e eu fiquei como preto-e-branco, lá em baixo, depois a fúria começou a ferver e crescer de tal forma que eu tenho receio de quebrar algo.

Eu queria o dia escuro e frio, de uma forma que eu pudesse sair na rua, com todo ódio correndo aqui dentro e observar as nuvens predizendo uma chuva, para que quando um estrondo no céu ocorresse, quando começasse a desaguar, a cair céus e terras em forma de chuva, eu pudesse abrir as portas do meu peito e deixar meu ódio livre, deixá-lo fugir sem coleira e sem um modo de prendê-lo outra vez, deixá-lo correr até cansar. Queria meus cabelos molhados, caídos sobre minha fronte, gotas pingando dele, meus olhos sanguíneos, minha boca encrespada de ira.

Queria sentir sair meu hálito frio, gélido, sem vida e sentir um ar mais frio e sujo entrar pelos meus pulmões, irritar minha garganta e me fazer tossir e escarrar um sangue negro de ódio e sadismo.

Eu veria as casas caírem, veria as árvores serem levadas e as torres desmoronarem, veria tudo caindo e indo embora, até eu ficar sozinho e desértico.

Sim, hoje eu queria um dia de ódio e destruição.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s